www.escoladebicicleta.com.br
capítulo 2. aprender a pedalar  
Foto: Arturo Alcorta

   . regras básicas

   . passo a passo

   . os pedais

   . a partida

   . aperfeiçoamento

   . contato

   . início

   . mapa do site

    1. experimentar sem errar
    2. aprender a pedalar
    3. voltando a pedalar
    4. pedalar no trânsito
    5. pedalar melhor
    6. ir mais longe
    7. corpo
    8. saúde
    9. alimentação
  10. vestuário
  11. idosos e a bicicleta
  12. iniciar no esporte
  13. cicloturismo
  14. a história da bicicleta
  15. política e ativismo
  16. a bicicleta
  17. que bicicleta comprar
  18. segurança mecânica
  19. o cliente e a bicicletaria
  20. estacionamento e roubo
  21. equipamentos
  22. mecânica de bicicletas
  23. emergências do ciclista
  24. nossa equipe
  25. nossos serviços
  26. links
  27. livros e referências
  28. política do site
 

 
Pedalar é muito bom, fácil, prazeroso. Todo mundo consegue! E quem aprende não esquece. Qualquer um pode chegar a pedalar com tranqüilidade nas ruas, no campo, estrada ou qualquer outro lugar. É muito raro, muito raro mesmo, encontrar alguém que não seja capaz de se equilibrar numa bicicleta.

Bicicleta gera simpatias e, praticamente todos gostam muito dela, embora seja comum encontrar quem afirme não ser capaz de sair pedalando... Uns alegam ter medo do trânsito, outros pedalaram somente na infância e nunca mais sentaram numa bicicleta. Há outros que sequer aprenderam a pedalar por diversas razões. Todos eles trazem uma ponta de desejo ciclístico, mas não sabem como realizá-lo.

É raro uma pessoa receber uma boa orientação e não conseguir pedalar sua bicicleta como qualquer outro ciclista que passa para lá e para cá, livre e feliz. Todos temos nossas limitações. Querendo, podemos ao menos contorná-las.
Boa parte de nossas limitações são bobas, fáceis de superar. Basta um pouco de boa vontade e uma boa orientação.

Voltar a pedalar é fácil, porque quem aprendeu não esquece. E tem mais: as novas bicicletas e suas muitas marchas são fáceis e confortáveis de conduzir. Não há comparação com os modelos antigos.
A evolução foi muito grande no setor; é uma outra história.
Certamente foi uma diferença da água para o vinho: é indescritível o prazer de pedalar uma bicicleta com suspensão dianteira e traseira (full-suspension), amortecedores reguláveis, freios hidráulicos, 27 marchas e, acredite, 11 quilos!
Voltar a pedalar para quem deseja recomeçar é redescobrir que uma coisa boa da vida ficou muito melhor.

Pedalar no trânsito, por mais assustador que pareça para um leigo, pode ser muito mais fácil e seguro do que aparenta a princípio. Basta mudar alguns conceitos de condução e de pensar a cidade.

Para quem afirma “não sei nada”, e este "não saber nada" significa na verdade um não sei pedalar, a solução costuma ser um acompanhamento individual. A maioria que não aprendeu a pedalar foi certamente por razões que nada têm a ver com falta de equilíbrio e coordenação motora. Normalmente isso ocorreu por algum motivo sem fundamento e a bicicleta virou um bicho. Nada mais que isso.

Nunca é tarde para aprender a pedalar. Tem vergonha? Bobagem!
Ok! Não custa tentar por si só. É fácil.

Para quem nunca pedalou:

Ponha na cabeça o seguinte: Geralmente, quem não conseguiu se equilibrar e sair pedalando, tentou aprender numa bicicleta errada, grande, ruim, desequilibrada, que não andava em linha reta. Ou foi orientado por um instrutor com pouca pedagogia. Aí complica!

Regra zero:

A qualidade da bicicleta está diretamente ligada à facilidade de manter o equilíbrio. Com qualidade é fácil pedalar.

As dicas abaixo servem tanto para adultos como para ensinar uma criança a pedalar (sem as rodinhas).
 

regras básicas

 
a bicicleta:

1. Utilize uma bicicleta que seja um pouco pequena para o aluno. Ele deve sentir-se seguro, sentir que não está preso e, que se algo sair errado irá conseguir apoiar os pés no chão e pular fora.
O quadro feminino costuma ser bom por que não tem o tubo superior.
Evite, contudo, usar uma bicicleta muito pequena ou infantil.

2. Ajuste a altura do selim de forma que o aluno sentado seja capaz de apoiar completamente os pés no chão. Os joelhos devem ficar um pouco dobrados. Pense que o futuro ciclista vai sair andando sentado na bicicleta; portanto, se ele ficar nas pontas dos pés se sentirá inseguro.

3. Ajuste o manete para ter só o freio traseiro funcionando. Evite freios de funcionamento muito brusco. O frear deve ser suave.

4. Amarre um dos pedais ao quadro para que o pé de vela não gire. Dê preferência a que os dois pedais fiquem na horizontal.

5. Os pneus devem estar um pouco mais vazios que sua calibragem normal para evitar que a bicicleta pule ou transmita sensações bruscas.

Onde começar?

Escolha uma rua, um parque ou qualquer outro local tranqüilo, bem pavimentado, plano, sem obstáculos e com um declive suave.

O primeiro contato com a bicicleta:

1. Sente o aluno na bicicleta e mostre a ele que ela não morde!

2. Deixe-o com a bicicleta para se acostumar e relaxar.

3. Mostre a ele que, se retirar os dois pés do chão ao mesmo tempo, a bicicleta não irá capotar como em desenho animado.

4. Fique do lado do aluno e faça-o ficar com os dois pés suspensos no ar por uns segundos. Repita o exercício algumas vezes.

5. Lembre sempre que quanto mais relaxado o ciclista, mais tempo a bicicleta demora para desequilibrar.

Primeiros movimentos: agora é com o aluno

Relaxado: O negócio é sentir-se como um saco de batatas sobre o selim. A bicicleta é uma máquina que, em velocidade, consegue equilibrar até um saco de batatas. Mas não consegue manter-se equilibrada com alguém que queira brigar com ela.

Deixe a bicicleta levá-lo naturalmente; este é o segredo. Não lute contra o equilíbrio natural da bicicleta.
 

passo a passo

 

1. Posicione a bicicleta no sentido da descida.

2. Sentado no selim, mantenha o corpo completamente relaxado, a coluna e braços soltos, as mãos segurando o guidão e um dedo sobre o manete de freio. Não tente torcer o guidão, apenas segure-o.

3. Sentado no selim, saia empurrando a bicicleta para frente com os pés, como se estivesse andando.

4. Deixe a bicicleta pegar um pouco de velocidade, mais ou menos a velocidade de uma pessoa correndo a pé. Sem velocidade não há equilíbrio.

5. Parece muito rápido? Parece que perdeu o controle? Calma. Com os pés arrastando no chão use o freio e pare.

6. Dê uma paradinha. Corpo relaxado, um dedo no freio. Respire fundo e acalme-se: veja, você não foi assassinado pela bicicleta!

7. Comece novamente. Lembre-se: é necessário um pouco de velocidade para ter equilíbrio. Arraste os pés com se fossem as rodinhas de bicicleta de criança para manter o equilíbrio.

8. Ainda não foi desta vez? Talvez esteja tenso. Pois então, respire fundo e relaxe. Sinta-se como um saco de batatas sobre o selim. Quanto mais relaxado você estiver, mais equilíbrio a bicicleta terá.

9. Tente de novo. Não brigue com a bicicleta. Relaxe e vai. Seja um saco de batatas feliz!

10. Vai, vai, relaxe, relaxe, vai.... opa! Foi! Você teve equilíbrio por uns poucos metros, então você o terá pela distância que quiser!

11. Continue praticando com os pés próximos ao chão, até conseguir fazer um suave zig-zag controlado. Parabéns, ciclista!

Não tente até a exaustão. É contraproducente. Pare e tente outra hora ou amanhã. Ficar pensando no assunto não ajuda em nada.
 

os pedais

 

1. Está se sentindo mais firme? Você já está tão bem na bicicleta como se estivesse num patinete? Parabéns: você está pedalando! Daqui para frente é fácil!

2. Comece movimentando a bicicleta como já sabe fazer: com os pés próximos ao chão.

3. Tome velocidade, levante os pés e coloque-os sobre os pedais. (que ainda estão amarrados no quadro)

4. Não se assuste: o equilíbrio é igual com os pés no pedal.

5. Lembre-se de manter os dedos nos manetes de freio.

6. Pratique o uso do freio sem tirar os pés do pedal.

7. Já está se sentindo um craque? Desamarre o pedal do quadro e tente de novo.

Estar relaxado é a base para o equilíbrio ao pedalar. Sob tensão, tomou um susto ou vai para o chão.

Pedalando:

1. Peça para alguém colocar a bicicleta numa marcha que não seja nem muito leve, nem pesada.

2. Comece a movimentar a bicicleta como você sabe, ganhe velocidade e equilíbrio. Apóie os pés no pedal e pedale suavemente, sem desespero.

3. Não procure os pedais com os olhos. Os pés encontram mais facilmente os pedais quando não se está olhando para eles.
 

a partida

 

1. Sentado na bicicleta, mantenha um pé no pedal e o outro no chão para se equilibrar.

2. Empurre a bicicleta para frente só com o pé que está no pedal. Tomando velocidade, coloque o outro pé no pedal e pedale.

3. Quer sair pedalando? Tente em uma descida. Coloque um pedal para cima, apóie o pé nele, pressione para baixo, enquanto empurra a bicicleta para frente com o pé que está no chão.

4. Grande ciclista!

Parabéns. Você está pedalando. O resto é prática! Ou um pouquinho mais que isso, mas não é difícil.

Esteja sempre concentrado no que faz, mas mantendo o corpo solto, relaxado; É a regra de ouro, a única receita para uma condução limpa e refinada de qualquer veículo. Segui-la minimiza a possibilidade de cometer erros, sofrer acidentes ou levar um tombo.
 

aperfeiçoamento

 

Brinque e melhore muito sua coordenação motora:

1. Pedale o mais lento que puder sem colocar os pés no chão.

2. Faça curvas apertadas o mais devagar possível

3. Freie a bicicleta e só coloque os pés no chão, quando ela estiver completamente parada.

4. Pare a bicicleta, conte até três e arranque de novo - sem colocar os pés no chão. Aumente o tempo de parada

5. Coloque 5 latinhas no chão, com espaço de três metros entre elas. Passe por elas em “S”. Diminua a distância conforme for melhorando

6. Em pé sobre os pedais, faça curvas e freie

7. Em pé sobre os pedais, com joelhos dobrados, passe por buracos ou pequenos obstáculos

8. Passe em espaços apertados

9. Desça um degrau

10. Nossas calçadas geralmente são acidentadas, horríveis para pedestres, mas ótimas para ciclistas praticarem equilíbrio.

Qual o próximo passo? Pedalar melhor, sem dúvida. Mas com calma e passo a passo. Ainda há muito o que aprender.
Descubra o que é uma boa bicicleta, qual delas seria interessante comprar, mesmo se não for adquiri-la de imediato.
E, antes de sair por aí, pedalando no trânsito, saiba por que é tão importante a segurança mecânica de qualquer bicicleta utilizada.

Bem vindo, ciclista.
 

capítulo 3: voltando a pedalar »
Escola de Bicicleta - Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo desta página sem prévia autorização. Política do Site »